Torça com moderação [Guest Post]

0

Toda quarta-feira é sempre aquela loucura. É só terminar a novela que começa um jogo de futebol, seja da Copa do Brasil, da Libertadores ou mesmo do Campeonato Brasileiro.
 
torca-com-moderacao2
 
Nessas horas começa também o teste de paciência, principalmente para aqueles que não tem muita familiaridade com o esporte bretão.

É tanta gritaria do apartamento vizinho que descansar torna-se um ato impraticável. Existem certos torcedores fazem questão de avisar o prédio inteiro a respeito do gol do seu time. Isso que é prestação de serviço, não é?

O pior de tudo é quando a rivalidade está a flor da pele. Nesses casos, é um tal de querer ir para a janela provocar os rivais, inclusive com palavras ofensivas. Além da competição esportiva, os torcedores parecem competir para ver quem tem mais pulmão para incomodar os vizinhos.

E aí quem entra em campo mesmo é a discórdia. Para resolver este problema, lanço a mais conhecida pergunta das transmissões esportivas.
 
torca-com-moderacao3
 
A regra é clara! Quem está dentro da sua casa tem todo o direito de curtir o seu futebolzinho, desde que dentro de um limite razoável. E se no futebol o juiz que é o responsável por interpretar os lances, dentro de um condomínio, o síndico é quem determina se haverá ou não uma punição.

Afinal, se você mora em um apartamento, já deve estar cansado de saber que existem regras. Não adianta fazer da sua casa uma arquibancada e prejudicar o vizinho de baixo, que precisa acordar às 5 da manhã, com aquele terremoto na hora do gol.

Não estou dizendo que é pra ficar mudo na hora do jogo, mas tente manter um mínimo de controle. Por mais que seja um fato isolado, é mais do que suficiente para gerar uma reclamação.

Torça, mas sempre com moderação!

*Rafael Mendonça é jornalista e autor do blog Meu Primeiro Apê, onde ajuda marinheiros de primeira viagem a desmistificar a compra de um imóvel.

 

Veja também:

Shows no mês de Junho em São Paulo

Agora não tem desculpas para você não ser um atleta!

Turismo de esporte radical no Brasil

 





Compartilhe:

Sobre o Autor

Comentários não são permitidos.