Mercado Imobiliário

More perto do trabalho em apartamentos menores

Morar perto do trabalho e numa região com farto transporte público e infraestrutura pode ser sinônimo de economizar de duas a quatro horas diárias no trânsito. A comodidade e a busca por mais qualidade de vida levam um crescente número de paulistanos a preferir morar em apartamentos menores e mais bem localizados do que em um imóvel maior e afastado.

Tendência nos últimos anos, o mercado de compactos de luxo, como são conhecidos os estúdios e apartamentos de até um quarto em regiões centrais, esfriou em 2014. Segundo estudo divulgado pelo Sindicato da Habitação (Secovi-SP), até setembro foram lançadas 5.158 unidades na capital paulista e vendidas 3.392. Em todo o ano de 2013, os lançamentos de um dormitório somaram 9.477 unidades, com 8.391 vendas. Apesar de o ano ainda não ter terminado, dificilmente será possível reverter esse resultado.

“Tivemos um primeiro semestre muito ruim por conta do Carnaval tardio, da Copa do Mundo e da indefinição em relação às eleições. Agosto e setembro tiveram crescimentos expressivos. A tendência é de que o segundo semestre seja melhor, mas não o suficiente para recuperar as perdas do começo do ano”, afirma Claudio Bernardes, presidente do Secovi.

Ruim. Setembro encerra o terceiro trimestre do ano apresentando sinais, segundo o Secovi, de que a pior fase do mercado imobiliário pode já ter passado. Em julho deste ano foram lançadas 141 unidades e vendidas 163, de um estoque de 4.542 apartamentos de um dormitório. Em agosto, os lançamentos somaram 1.136 unidades e as vendas, 602. O estoque foi de 4.857. Já em setembro foram 1.367 lançamentos, 731 vendas e 5.264 apartamentos em estoque.

Bernardes lembra que os resultados mais modestos deste ano não são exclusividade dos imóveis de um dormitório. Com base nos dados acumulados pelo Secovi, a previsão é de que o mercado imobiliário feche o ano com 24 mil unidades vendidas, contra 26 mil lançadas, evidenciando elevação na quantidade de imóveis ofertados não vendidos na cidade de São Paulo.

“A velocidade de venda do compacto de luxo diminuiu, mas os lançamentos continuam, pois eram projetos em desenvolvimento. Já a procura por apartamentos de um quarto com preços mais baixos continua aquecida”, afirma a diretora de atendimento da Lopes, Mirella Parpinelle.

Ela cita como exemplo o empreendimento Portal Centro, que está sendo lançado no bairro do Brás, com metro quadrado de R$ 6.700.

More perto do trabalho em apartamentos menores Portal Centro próximo ao metro Bras

A Lopes também está trabalhando dois lançamentos de compactos de luxo, nos bairros da Aclimação e de Pinheiros, com preços na casa de R$ 11 mil a R$ 14 mil o metro quadrado.

Quase sempre com arquitetura moderna, os compactos de luxo costumam contar com academia, salão de festas, piscina e outras comodidades. Muitos condomínios oferecem serviços pay per use (pague pelo uso). As opções são diversas e vão de personal trainer a pet care, passando por massagem e organização de eventos. Normalmente, o trabalho é feito por firmas terceirizadas.

Exclusividade. Além de boa localização e comodidade, muitos compradores dos compactos de luxo buscam exclusividade e uma arquitetura diferenciada. É o caso da pesquisadora de mercado Daniela Fernandez, de 40 anos. Quando decidiu deixar a casa que dividia com a irmã, no Jardim Europa, há dois anos e meio, ela comprou um apartamento da incorporadora MaxCasa, o MaxHaus Morumbi.

Com o conceito de arquitetura aberta, com apartamentos com apenas com um pilar estrutural, onde está localizado o banheiro, o morador pode personalizar o restante do imóvel de acordo com suas necessidades. “Escolhi ter um quarto pequeno, com um banheiro. Como gosto muito de receber amigos, ter uma sala maior integrada à cozinha era o principal”, conta.

Com área de 50 metros quadrados, Daniela conseguiu até ter um pequeno quintal na lavanderia. “Embuti a máquina de lavar roupa e coloquei uma jabuticabeira no espaço”, diz.

Um dos atrativos que chamaram a atenção de Daniela foi o teto de concreto, mas os apartamentos vêm com uma tecnologia que permite controlar a temperatura, a iluminação e os aparelhos eletrônicos por meio do seu smartphone, tablet ou remotamente via web.

“Esses diferenciais despertam o interesse dos compradores. Sempre temos uma grande procura e até chegamos a ter lista de espera em alguns empreendimentos”, afirma o CEO e fundador da Maxcasa, José Paim de Andrade.

A Cyrela Brazil Realty também apostou na diferenciação ao fazer uma parceria com Paolo Pininfarina, presidente do grupo Pininfarina, escritório de design que tornou os carros da marca Ferrari ícones mundiais. O prédio a ser erguido na Rua Fiandeiras, na Vila Olímpia, terá 92 apartamentos, entre eles quatro coberturas duplex. Os apartamentos, com 50m² cada, têm preços entre R$ 26 mil e R$ 30 mil ometro quadrado.

“Já vendemos 50% das unidades. O público que compra um imóvel como esse quer exclusividade, independentemente do preço”, diz Piero Sevilla, diretor de incorporação da companhia.

foto

Você pode gostar de ler também...